Leandro Hassum: “Eu estava perto da morte”

LEANDRO-HASSUM

Cinco anos após realizar a cirurgia bariátrica que o fez perder 60 dos seus quase 150 quilos, o ator e humorista Leandro Hassum concedeu uma entrevista à Revista VEJA, onde falou um pouco sobre o antes e depois da cirurgia e os desafios de voltar à comédia. Leandro Hassum é famoso por protagonizar três filmes da franquia Até que a Sorte nos Separe entre os anos de 2012 e 2015, onde levou mais de 10 milhões de pessoas ao cinema.

Confira o trecho da entrevista realizada pelo repórter Marcelo Marthe:

O senhor já se mostrou irritado com as reações nas redes sociais à sua cirurgia bariátrica. Os comentários ainda incomodam?

Por incrível que pareça, ainda há muitas pessoas que criticam meu emagrecimento. Elas dizem que traí o “movimento” dos gordinhos. O obeso virou o novo belo, o antídoto contra a ditadura do corpo perfeito. Eu nunca fiz parte desse tal movimento. Era gordo e ponto-final. Só que pesar 150 quilos não é ser um gordinho. Para um cara de 1,79 metro, isso se chama obesidade mórbida. É uma doença.

Sua saúde estava em risco?

Sim. Eu era um cara perto da morte. O obeso mórbido dorme saudável e não acorda no dia seguinte. Mas muitas pessoas ainda não entendem minha decisão, lá se vão cinco anos desde a operação, em 1º de novembro de 2014. Quando alguém me diz “Preferia você gordo” é o mesmo que dizer “Preferia quando você estava perto de morrer”. Não foi por futilidade que resolvi deixar de ser gordo. Foi por longevidade. Quero ver minha filha adulta.

Quando teve consciência disso?

Até certo momento, nenhum gordo tem consciência. Se você chegar para um cara que pesa 180 quilos e disser “Cara, por que você não opera?”, ele vai responder que é feliz assim. “Grande porcaria, eu estou com a saúde boa, meus exames de colesterol e glicose estão o.k.” Mas minha visão mudou quando fui a um churrasco na casa do André Marques, em 2014. Ele tinha feito a operação um ano antes, e foi a primeira vez que vi o André magro. Tomei um choque. André então se ofereceu para me levar ao médico dele. Eu disse que não queria, que estava bem. Mas acabei indo. Saí do consultório com a cirurgia marcada.

Nas suas comédias de sucesso no cinema, o público vibrava ao ver sua pança. O trunfo do humor físico não faz falta?

Minha barriga era uma grande personagem. Entretanto, não posso crer que quase trinta anos de carreira se constroem sobre um pedaço de carne. Se você bota um gordo dançando, já tem 50% da piada. Mas o efeito dura um minuto. Ninguém sustenta um filme ou uma peça com a barriga. Dessa forma, se gordura tivesse graça, era só ir ao açougue e rir de uma picanha.

Clique aqui para conferir a reportagem completa no site da VEJA

 

O Dr. Rafael Lucena é Especialista em Cirurgia do Aparelho Digestivo e Realiza Cirurgias Bariátricas e Metabólicas (Diabetes tipo 2), além de colocar Balão Intragástrico. O Dr. Rafael Lucena atende nas cidades de Arcoverde e Serra Talhada.

Cirurgia bariatrica